Início
22/02/2014 | Artigos

Brasvending dá-se a conhecer

Hostel Vending Portugal

Hostel Vending Portugal

Hostel Vending Portugal

Tiago Rangel Alves da Brasvending




 
Hostelvending.com.pt

No rescaldo da 11.ª ExpoVending & OCS, considerada a exposição mais importante da distribuição automática na América Latina, aproveitámos para dar um novo olhar sobre o mercado brasileiro.

Com novas empresas de vending a surgirem todos os anos, centramos a atenção, desta vez, na Brasvending, um dos maiores operadores do país.

Tiago Rangel Alves, gerente de processos e projetos da empresa, dá-nos a conhecer quem é esta empresa, o que faz e o que a move. 

- Quem é a Brasvending? 

A Brasvending foi criada em1996 e é, hoje, um dos maiores operadores em atividade no Brasil. Em abril de 2013, lançámos a nossa nova identidade visual, que sela o novo momento vivido pela empresa. Mais do que uma simples substituição de logomarca, o objetivo é direcionar e comunicar aos colaboradores e parceiros uma nova filosofia corporativa e um modo diferente de fazer negócio. 

A Brasvending cresceu por meio da aquisição de muitas outras empresas e, por essa razão, muitas culturas permeiam a nossa estrutura. A ideia, agora, é unir o que cada colaborador trouxe de bom das experiências anteriores, aperfeiçoá-lo e, depois, construir uma cultura única, harmoniosa e voltada para resultados. 

A nossa missão é proporcionar conforto aos nossos clientes externos, mas este objetivo requer que, em primeiro lugar, levemos conforto aos clientes internos (funcionários). Apenas com funcionários satisfeitos conseguimos acudir às necessidades e exigências dos nossos clientes. 

Por este motivo, foram feitas inúmeras melhorias, a fim de motivar e premiar, aproximando-nos cada vez mais da meritocracia. Renovámos os uniformes de todos os colaboradores, mas também criámos uma política de recompensa variável para abastecedores e técnicos, que são reconhecidos e distinguidos em função não só do desempenho das suas funções, mas também da conquista de metas. 

Além disto, criámos uma área de produção de máquinas mais moderna e confortável para os colaboradores. Ainda de significativo, os administrativos passaram a receber uma quantia para livre consumo nas nossas máquinas de snacks. 

Em complemento, criámos canais de comunicação, formações e oficinas, entre outros recursos, para tornar a gestão cada vez mais transparente e participativa, mas também para envolver aqueles que acreditam na nossa missão e filosofia.

- A que ritmo cresce? 

Nos últimos 3 anos, passámos por importantes transformações estruturais e de gestão. O foco foi fazer crescer a nossa rentabilidade. Por essa razão, procurámos otimizar os nossos custos, adequar a nossa operação aos novos clientes e investir em parcerias que nos tornassem mais eficientes. Há dois anos, o grupo de acionistas encontrou nos copos descartáveis a oportunidade de diluir os seus custos variáveis e, ao mesmo tempo, abastecer o mercado com o excedente da produção.

Atravessámos momentos difíceis e tivemos problemas relacionados com a qualidade do produto, situação que nos obrigou a retirar os copos do mercado, num grande esforço de recall. No entanto, trabalhamos, hoje, para tornar a Barista Copos Descartáveis num importante player desse mercado, oferecendo produtos seguros e fiáveis. Implantámos um intenso controlo de qualidade e passámos a utilizar a metodologia Lean Manufacturing (busca permanente de redução de todo o tipo de desperdício que gera custa e não agrega valor ao longo de processo produtivo) como espinha dorsal do nosso trabalho, o que tem gerado bons frutos. 

Além de os indicadores de reclamação terem chegado ao zero, reduzimos em 24% o desvio padrão, enquadrando o processo dentro dos limites de especificação. Por outro lado, contratámos gente capacitada e profissional. Perante esta circunstância, o mercado deu, no imediato, uma resposta favorável, através da retoma de pedidos e do envio de amostras para todo o Brasil.

- Em que valores/filosofia assenta a sua atuação? 

Acreditamos em quatro valores fundamentais para crescer e prosperar. Cremos que somente com muita gestão e controlo iremos continuar a progredir. Por isso, estabelecemos constantemente novas metas de crescimento e desenvolvimento. Confiamos também nas pessoas. Qualquer investimento realizado só faz sentido se tivermos as pessoas certas, nas funções corretas, e devidamente motivadas e preparadas. Embora a tecnologia, os processos e controlos sejam importantes, quem, de fato, produz resultados são as pessoas. Assim sendo, a tecnologia, como nosso terceiro valor, é utilizada como meio ao serviço da inovação, controlo e processos, mas jamais como um fim em si mesmo.

Para assegurar que todos esses valores sejam devidamente cumpridos e seguidos, um quarto valor permeia todos os outros três: a ética. Praticar o respeito e a transparência nas relações com os clientes, fornecedores e colaboradores é a melhor maneira de chegarmos aos objetivos estabelecidos e garantir a confiança do mercado.

- Além de doze filiais repartidas estrategicamente pelo território brasileiro, a Brasvending possui uma unidade de fabrico de copos de café para o Vending, através da qual se fez representar na mais recente edição da ExpoVending & OCS. Que produtos e novidades apresentou? 

Apresentámos um copo que, embora se assemelhe, em termos visuais, ao que já possuímos, integra importantes inovações no processo produtivo. O valor agregado através de um rígido controlo de qualidade, as melhores matérias-primas utilizadas no mercado, equipamentos de alta tecnologia e uma equipa experiente e capacitada são os principais diferenciais que possuímos.

Adicionalmente, o nosso copo possui 5 ml a mais do que os copos de média volumetria da concorrência, permitindo uma maior segurança aos usuários de máquinas de café no contato com bebidas a altas temperaturas.

O nosso copo é certificado por conceituados institutos de pesquisa, o que atesta a sua segurança no contato direto com alimentos. Além disso, possuímos poucos SKU´s (Stock Keeping Unit) e todos eles estão voltados para atender unicamente ao segmento de vending, o que nos permite conceder total atenção ao produto e atendimento personalizado aos operadores.

- A vossa empresa iniciou, há dois anos, a implantação de um modelo intenso de Gestão e Controlo. Em que consiste e que vantagens operacionais vos oferece? 

Sim. O trabalho começou há quase dois anos e já mostra resultados importantes. Utilizamos o PDCA como método de gestão. PDCA é o acrónimo de 'Plan, Do, Check, Act', método que extrai os seus fundamentos dos estudos de René Descartes (1596-1650), filósofo, físico e matemático francês que dedicou a sua vida a procurar explicações racionais para as coisas. 

O método nada mais é do que um instrumento para resolver problemas, mas não a solução. Se fizermos as coisas sempre da mesma maneira, os resultados serão fatalmente os mesmos. Em determinados processos, fazer da mesma maneira é fundamental, desde que produza o resultado desejado. Caso isso não aconteça, é preciso inovar, estabelecer o novo padrão e segui-lo. Para verificar se esse novo processo ou padrão funcionou, estabelecemos não só indicadores que medem o seu desempenho, mas também um parâmetro, também chamado de meta. Este procedimento permite-nos agir imediatamente em caso de não conformidade. Caso o indicador não atinja a meta esperada, é necessário propor um plano de ação para deter o problema. Em síntese, estamos diante de um processo contínuo, sem termo. Por esta razão, o PDCA é também conhecido como ciclo de melhoria contínua. A principal vantagem da sua utilização é impedir que os problemas passem despercebidos.

Uma vez que os gestores estão todos treinados e acreditam no método, qualquer problema será, além de solucionado, sujeito a análise detalhada e rigorosa para evitar que as suas causas geradoras voltem a despontar. Com este método, o resultado aparece imediatamente.

- No Brasil, o mercado da distribuição automática é muito recente. Consegue adivinhar como e por onde evoluirá? 

Embora eu tenha pouco tempo neste mercado, sou otimista em relação ao vending. A ExpoVending & OCS é a prova da evolução e retoma da expansão do mercado, com presença dos principais fornecedores da cadeia de suprimentos.

A feira foi muito elogiada e trará, sem dúvida, repercussões muito positivas a todos os envolvidos, sejam eles operadores, fornecedores ou clientes. Todos os mercados com as mesmas caraterísticas do vending, ou seja, economia sem barreira de entrada, valor inicial de investimento relativamente baixo e reduzido valor agregado, tendem naturalmente a competir por preço. 

Entretanto, as empresas perceberam que essa competição é uma prática obsoleta, que aniquila cada vez mais o nível de atendimento e torna o serviço numa commodity. Nota-se uma tendência do setor para aprimorar e elevar o nível do serviço e a qualidade do atendimento ao cliente. O que irá ditar a rentabilidade das empresas será a constante busca por eficiência e redução de custos, uma vez que os preços exigidos e praticados, a pressão inflacionária e a complexidade tributária e fiscal do setor, limitam, de certa maneira, uma expansão mais drástica e rápida deste negócio.

Muitos operadores já compreendem essa necessidade de buscar outras maneiras de competir, já que o caminho trilhado até então é insustentável. O grande desafio será encontrar o equilíbrio entre um excelente nível de serviço, produtos de qualidade, máquinas de ponta capazes de surpreender os clientes, juntamente com a aplicação de preços competitivos capazes de suportar tamanho investimento e exigência.

Subscrever Newsletter
Últimas Empresas
Multi café

No serviço com máquinas de café para empresas, oferecemos mais comumente um pacote dedicado, onde o...

Classificados
PICA.PICA.COME

Setubal

PICA.PICA.COME LOJA - VENDING . SELF - SERVICE NA ESTAÇÃO FLUVIAL DA TRANSTEJO...

illycaffè - HORECA

Café Torra média O equilíbrio entre força e suavidade, de onde surgem aromas de...

EVA
EVA